quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Indefinições

Indefinições
As palavras somem do papel,
a caneta trepida, rabisca
desenhos quaisquer,
Poeta insone, cala-se...
Procura no dicionário
definições indefinidas
do que sente, próprio
peito nega a afirmação.
E caminha inquieto
pela casa solfejando,
músicas outrora cantadas,
e sente um toque leve...
Já os lábios enlaçam
inocuamente um beijo
que espalha-se
enquanto fecham-se os olhos.
O tempo passa pacientemente,
o corpo sente a falta do abraço...
E a boca emudece intumescida
do que o silêncio lhe trás.
Lúcio Vérnon