domingo, 21 de fevereiro de 2010

os quatro não sentidos

Os quatro não sentidos O gosto é cinza opaco, e arranha a garganta, resseca e corroe a voz. Amarga a boca o gosto cinza. A visão é turva, errante, a nébula cega e confunde, pode colorir ou retirar o brilho, os vultos não são o que parecem. os sons não são audíveis, são psicodélicos, calendoscópios de notas mau formadas. canções desperdiçadas e trépidas. O tato nada sente, nada vê. Em vertigem esqueceu o afago, os toques deixaram o arrepio, e nas mãos há saudades.
Lúcio Vérnon