quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Rosa




Desbotam palavras de lembranças coloridas,
enrijecem gestos de suave acalantar,
mãos distantes, sussurros inaudíveis,
desejos incautos de um sonhar translúcido.


- Era tons de prata quando anoiteceu, 
Dama da Noite perfumavam os cabelos.
- Eram carícias de momentos teus
que a mão esqueceu em tempos contados.


E bailas em giro enquanto caminhas,
e canta em silêncio em tons de rever,
rever a lua prata que agora se deita,
a rosa já pálida dissolve a cantar.