domingo, 9 de setembro de 2012

De Assalto



Toma-me de assalto
o peito antes enclausurado,
que de tempos remói
o passado tão contínuo.

É preciso de pouco tempo
para que instigue o pensamento,
que rememore e acenda
a devoção de se entregar.

É preciso o tempo curto
que no entrelace de conversas
se crie o desejo de arder
sentidos postos apenas a poetar.

E toma-me de assalto
a razão meramente ilustrativa
de poeta ponderado
desesperado de esperar.

Lúcio Vérnon

Poema criado para Karolina. Uma das meninas mais lindas que tive a sorte de conhecer na vida. E que com apenas alguns minutos  de conversa conseguiu acalmar e dar esperanças a um cara que precisava ver um bom futuro. Obrigado Karol por também escolher a música perfeita para o poema, e pela oportunidade de  ver e ouvir suas lindas palavras.