quinta-feira, 13 de março de 2014

Memórias e Fantasmas




Sussurros e névoas...
Silhuetas dançam na brisa
e procuram o caminho
pelos olhos Castanhos que ainda olham...

São soleiras de expressões antigas,
de mãos que percorrem os traços
acariciando as tais cicatrizes
e as rosas enrubescidas das costas...

Ouriçam-se os pêlos,
suam sonoramente
e desmantelam-se em puro silêncio
de um momento tão carne...

... Quanto os pedaços de alma
espalhadas, perdidas pela sala
e pelos versos Boêmios
de um tempo não vivente.

Sussurros e névoas...
Esvaem-se pelos cabelos vermelhos
e janelas de grades firmes,
entre o sol e o anoitecer

De um corpo ainda tão sonhado
com suas possíveis imperfeições
e histórias arranhadas por outras mãos,
mas ainda é predominantemente marcada

Pelo ardor da pele áspera na memória
e momentos que ecoam e assombram
a antiga casa de paredes amarelas
e que há um tempo já não os recebem.

Lúcio Vérnon