sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Rosa Negra



Padecem em veludos
as pétalas de ébano
que desfalecem entre os dedos...
- Não é tristeza... É segurança!

Já os espinhos perfuraram as mãos,
e jorram sentidos lógicos
numa mente conturbada...
- Não é dúvida, querida, é certeza.

E tal certeza é de que não há
o que esperar. Esperar é vão,
quem muito quer, nada tem.
e quem muito tem, muito perde...

Padecem em veludos
rosas entregues à lembranças,
algumas vindouras, outras presentes.
- Não é loucura... É lucidez.

O tato, não mais deseja
e arrepia ao sentir o passado.
Sentia o orvalho enquanto amanhecia,
- Não são sentimentos... São despedidas.

Lúcio Vérnon