quarta-feira, 9 de maio de 2012

Calos




Os dedos calejados
já não sentem mais a pele,
a verdade outrora
e as conversas insônes...

Quem poderá mostrar o caminho?
O desejo de um igual.
Retirar a máscara e ver teu rosto.
Sorri, e fazer rir do simples.

Os dedos calejados,
calejam também a face,
que desfaz em momentos
e transfigura as vontades.

Quem irá tocar teu corpo
enquanto música?
sussurrar tuas curvas
em versos sem rimas?

Os dedos calejados,
calejam também a crença,
os sentidos, e as letras.
Talvez a própria verdade.

Quem irá sentir teu cheiro,
e o desejo lascivo de posse?
Quem sentirá a vantagem
de possuir o teu ser?

Lúcio Vérnon 
 @Camila Tápia.