quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Boneca





De porcelana...
Pele alva de prata
matutina antes do nascer,
antes do não ser...

E não precisa de muito,
e não deseja o que é pouco.
de cigana se fez o corpo
que espera o inesperado.

É de porcelana
que se rompe em afagos
de cautelosos toques
por medo de que se parta.

E já não precisa de muitos,
mãos que se enredam nos cabelos,
que de vermelho só desejo é pouco,
e ofega enquanto aproxima.

Lúcio Vérnon