sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Minha Alma Medrosa

Minha Alma Medrosa

Minha alma hoje murmura apelos, Pressente o momento sem vir... Minha alma chora quieta, calada, Ouve exatamente o aquilo que temia.

Minha alma hoje murmura o silêncio, Sente o real, os acontecimentos por vir. Deseja acordar e viver, e realizar... Chora por não ser, por não poder ser.

Minha alma triste hoje, cala-se... Teme, treme, ri, canta, recai em prantos, Queria e não sabe como re-dizer... A vontade é de sempre ser teu.

Minha alma calada ouvinte, chora novamente... Teme e escreve rimas pobres em poemas, Enrola o tempo sentado quieto, solitário, Percebe que aos poucos é só alma calada.

Lúcio Vérnon®